Apontamentos fugazes 230

A permanência

A peste, é preciso dizê-lo, tirara a todos o poder do amor e até o da amizade. Porque o amor exige um pouco de futuro e, para nós, já não havia senão instantes. 

Albert Camus, A Peste, 1ª ed., Livros do Brasil, 2016, p. 156

Poemas 53

Caminhos

De uma estrada sem início 
apareces sem chegares
és um vício,
um olhar perdido,
uma memória presente.
Sempre.
Uma folha caída
um riso inesperado
um raio certeiro
de fome incapaz.
Atrás
sem poderes encontrar 
uma porta que escancare
o arrependimento inconstante
de ver e voltar
para outro lugar
longe,
tão longe,
inacessível e calmo.
Um outro lugar
tão longe daqui.

[janeiro de 2017]

Recomendações 86

Post Pop Depression e um concerto de Iggy Pop

O último álbum de Iggy Pop, Post Pop Depression, de 2016, é uma obra incrível, que muito rapidamente passei a recomendar. O que eu nunca pensei foi passar o concerto de Iggy, no Super Bock Super Rock, em perfeito êxtase, mesmo quando só cantou um tema deste álbum. Digo-vos, com toda a sinceridade, que foi dos concertos que mais me impressionou até agora em 2016. Não percam a oportunidade, se puderem ver um concerto de Iggy Pop ao vivo. Ele fará tudo para tornar o concerto memorável.



Gardenia, Post Pop Depression, Iggy Pop, 2016

Pensamentos líquidos 123

III. The Olympics: Rio 2016, the gold

Let me wrap up with a last post on the Olympics. And this post is a homage to a few athletes. So many more would deserve the highlight, but let me choose a few, from my biased viewpoint.
Michael Phelps. He is an outstanding swimmer and his comeback was out of this world. He was not as dominant as he once was, but he proved himself so brilliantly. 28 Olympic medals mean something terrific. For someone like me, who loves swimming, it is a pleasure to be able to witness his career.
Katinka Hosszu. She transformed herself into a magnificent swimmer. Yes, Katie Ledecky smashed world records and she is an amazing crawler. But Katinka swims medleys, which means she is more versatile. I do not want to discuss the effect of her partner and coach on her achievements, but since they started this type of arrangement, her marks improved immensely.
Simone Biles. How wonderful is she? The difficulty level of her routines is out of this world and she masters what she does. She might have had a slip on the balance beam (to me, the most amazing of her routines and, before her, I did not even like the beam), but her performance was superb nonetheless.
Oksana Chusovitina. She is 41 years old and she still made it to the vault’s final. That made me happy. I hope she does not get any injuries and continues challenging the ageing odds.
Mo Farah. I like him very much. Not only is he a magnificent athlete, he is, from what I hear, such a decent man. And his victory at the 10 000m, after the fall, has to bring a happy tear to one’s eyes.
Usain Bolt. He is probably the greatest sprinter of all times and it is a joy to watch him run.
I know there were other great achievements I am not mentioning. I am not minimising their worth, but I cannot keep on writing for days… and days and days…
 ...

And days...

Poemas 52

Hope?

I’ll be all shattered and bruised
Once you’re done with me.

But for now I seem to forget
All the pain you will cause me
Because I can create perfect
Images of us together in disguise.

Is it hope? Could it be?
Is it hope? Such strange feeling
Is it hope? Expectation of faith
Is it hope? Or deceit?

Now you are the addiction
That overwhelms the senses
Challenging the probabilities.
Rising above the horizon.

Is it hope? How to see?
Is it hope? Fallen dream
Is it hope? Truth concealed
Is it hope? Not for me.

I’ll be all shattered and bruised
Once you’re done with me.

[Maio de 2016]

Pensamentos líquidos 122

II. The Olympics: Rio 2016, the ugly side

We have all heard about the Olympics’ curse: countries invest millions in infrastructures that later down the years are rubbish in ghost areas. Despite the theories of creative destruction, my take is that this is not intertemporally beneficial for the countries that organise the Olympics. But I do think it could be different. I fear it may not be different in Brazil, though. But I hope I am wrong.
Nevertheless, I would like to focus this post on what I disliked about this Olympics and that goes beyond the tardiness in the preparations and the unfortunate Olympics curse. The two sides of ugly: some spectators and a few athletes.
First, I want to talk about the spectators. I loathed the behaviour of some spectators.
For those spectators that booed athletes, that were noisy when silence was paramount, that misbehaved when others were trying to perform at the highest level, after years and years of effort and sacrifice, let me tell you bluntly: it is NOT ok! And do not disguise that foul behaviour in cultural clothes. It is simply not ok!
Do you know how it is to get up at 5 in the morning to do your first workout in the early morning, to then attend classes, to be in pain for months in a row because your muscles are torn with stress injuries, to undergo surgeries because those stress injuries took the best out of you, and to come back, with a lot of pain and sacrifice, and to do gym work in the afternoon and to study when you get home because, after all, you’re also a student, or a working woman or man? Do you know? Do you even care? Do you have any idea of the pain these athletes go through? Do you have any idea of the effort they have to put in to be competitive? Yes, the most famous get quite some money out of it, but most of them are not famous, most of them need to work on alternative careers for when their sports career is over. Do you have any idea? No, you just seem to think it is ok to mock their effort. So, this means nothing to you, I’m sure, but I have no respect for you as spectators and that undignified behaviour is something people will remember Rio 2016 for. I hope you are happy about that.
Second, I want to talk about a few athletes. Unfortunately, some sportsmen behaved equally bad. I fully understand the need to unwind after so much pressure, but some things are just not ok. And violence is not ok. From vandalism to attempted rapes: you should be better than that. Of course, athletes can also be bad people, and some are. Again, it is NOT ok! And again, you deserve no respect for those actions.

Pensamentos líquidos 121

I. The Olympics and why I love them


I love the Olympics. I love the Olympics because of what they represent: the chance for individuals to surpass their human fragilities and limits. 
It is just sports, do not think I see it differently. But in each of those individuals - those athletes - you have on person, one human, who wants to do more than what should be physically feasible. And they manage, they surpass themselves in ways one can only conceive. And that is as good as it gets for us mortals out here. The sense of surpassing our awfully human limits.
There are other great things at the Olympics: the camaraderie, the breaking of social and cultural barriers, the acceptance of the link that unites us all: humanity, no matter skin colour, no matter religion, no matter other beliefs. But, for me, there is something too special in having individuals surpassing themselves, individuals surpassing the greatest of all times, carving their names on history books, setting themselves apart, being recognised after putting so much effort and perseverance into one thing.
Yes, this is why I love the Olympics: athletes there transcend their human characteristics to elevate themselves to immortal achievers.

Recomendações 86

The hope six demolition project, by PJ Harvey

A lovely album by PJ Harvey, one of the greatest.

He's saying dollar dollar
I can't look through or past
A face saying dollar dollar
A face pock-marked and hollow
Staring from the glass


Dollar, dollar, from “The hope six demolition project”, PJ Harvey, 2016

Arquitetura, artes plásticas e design 17

Fugit Amor, por Auguste Rodin

O eco que uma peça de arte reverbera em cada um de nós é variável e depende da relação genuína que se cria entre nós e a peça. Evidentemente, essa relação depende de um conjunto enorme de fatores, de entre os quais tem de se destacar as características intrínsecas da peça e nossas. Outro factor de destaque é a forma de arte em si, que pode, de algum modo, ser vista como uma das características da peça de arte. 
O impacto de uma peça de arte num indivíduo é uma temática que me interessa sobremaneira, mas hoje não é o dia para dissertar sobre ela. Hoje é dia de falar de um caso específico.
Há algumas semanas atrás, no Museu Rodin, em Paris, voltei a ser assaltada por uma sensação de compreensão tão avassaladora que me trouxe lágrimas às comportas dos olhos. Sou uma fã assumida de Rodin há muitos anos porque há uma intensidade nas suas obras que me comove, que me causa um estremecimento de verdade. Causa-me uma sentimento maior. Um tipo único de sentimento maior que só na arte consigo sentir sem receio de desilusão. 
No percurso da sua casa-museu, aparece cedo uma obra que há muito me cativa, me comove, me enternece e me faz exaltar. Chama-se “Fugit Amor” e, como muitas das suas obras, é parte das Portas do Inferno. Vi uma versão em mármore no Museu Legion of Honor em São Francisco há muitos anos atrás e teve também esse impacto magnífico. Várias outras obras na casa-museu em Paris causaram efeito semelhante, mas Fugit Amor é um bocadinho mais especial. 

Como vos dizia, o impacto de uma peça de arte num indivíduo depende de muitos fatores. Em Fugit Amor eu vejo perfeição técnica, mas vejo muito mais, vejo a qualidade efémera de um sentimento que nunca poderá ser permanente, a não ser que seja congelado na morte. Em Fugit Amor eu vejo a impossibilidade de um amor eterno e, no entanto, vejo a intensidade e a dor da sua ausência. Sim, sei que não é essa a história por detrás da sua criação para as Portas do Inferno. Mas é assim que a sinto. E isso é tudo porque em Fugit Amor vejo-me a mim.

Homenagens 73

A Moon Shaped Pool

Referi há algum tempo que queria escrever sobre o último álbum dos Radiohead, A Moon Shaped Pool, quando partilhei uma versão antiga de uma música recuperada nesse álbum – True love waits. 
Desde essa altura, várias coisas aconteceram. Em particular, vi o concerto dos Radiohead no Primavera Sound, em Barcelona. E se a reação esperada seria o embevecimento, o que aconteceu foi o oposto. Imaginem o que é estar a quilómetros de onde decorre um concerto e ouvir resquícios da música distorcida pela distância. Foi o que me aconteceu no concerto dos Radiohead no Primavera Sound. As condições de som foram paupérrimas e posso apenas acreditar – tendo em atenção as críticas que li – que os Radiohead deram um bom concerto. Mas, para uma fã, isto é pura mágoa. Já escrevi um email reprovador à organização do Primavera Sound porque as condições de som foram, em geral, bastante más e revelam pouco cuidado com os artistas. E um festival de música digno precisa de evidenciar o maior respeito pelos artistas e não se preocupar miopemente com a dimensão. 
Mas A Moon Shaped Pool merece um post em êxtase. E comecei-o com comentários acerca do concerto apenas para provar que nem um concerto triste pode mudar a minha opinião.
Os álbuns anteriores, The King of Limbs e, mesmo, In Rainbows são álbuns difíceis, que demorei algum tempo a aprender a gostar e que, mesmo assim, conservaram sempre alguma distância, debalde as minhas tentativas de aproximação. Durante algum tempo, na sua torre de perfeição, os Radiohead começaram a criar algo tão imaculável, mas tão incrivelmente abstrato, que me senti ligeiramente perdida. Isto não quer dizer que me tenha afastado dos Radiohead. Os Radiohead serão sempre especiais. Os Radiohead serão sempre mais especiais. 
Com A Moon Shaped Pool, os Radiohead regressam à abstração perfeita não hermética. A Moon Shaped Pool é um álbum despido de tudo o que não é necessário e cheio de Radiohead. É um álbum que me enche de imensidão, mesmo quando reconheço a minha pequenez; é um álbum maior. 
Talvez sejam o meu calcanhar de Aquiles, onde escolho ser frágil, mas os Radiohead, neste álbum trouxeram-me uma perfeição deliciosamente humana. Enquanto procuro um sentido, reconheço que há momentos em que esse sentido maior pode não ser necessário:
In you I’m lost.

Decks dark, A Moon Shaped Pool, 2016, Radiohead

Trivialidades 252

Coisas que me irritam mais do que proporcionalmente

Incoerências

Recomendações 85


Para colocar alguns filmes em Watchlist. 

Apontamentos fugazes 229

Escrever

Sei que já o repeti mais do que o razoável, mas há qualquer coisa de único quando se escreve. Há um estrépito de tambores decisivos. Que preparam a chegada de algo mais verdadeiro. Da essência que, no momento, se perpetua para sempre. 
E há dias especiais em que, em êxtase, se escreve assim. Há dias em que, em catarse, me escrevo assim. Dias como o de hoje.

Recomendações 84

Our man in Tehran

Um conjunto de vídeos informativos, esclarecedores, elegantes e jornalisticamente neutros sobre situações na vida de pessoas no Irão, da autoria de Thomas Erdbrink e Roel Van Broekhove, que recomendo vivamente. Desde uma percepção de grupo pouco inquisitiva sobre a escassez de água no caudal de um rio à possibilidade de uma “justiça” assente numa premissa de “olho por olho”, mas só quando não há mulheres envolvidas, os vídeos exploram episodicamente a visão de pessoas iranianas numa sociedade que querem, ou não, mudar. 
Obrigada, L., pela partilha!

Apontamentos fugazes 228

Tríade de obsessões

Verdade(s) – Justiça – Perfeição 

Recomendações 83

True love waits

Um dia destes quero escrever sobre o último álbum dos Radiohead, A Moon Shaped Pool. Mas hoje quero ficar por uma das suas faixas, na verdade, um tema já antigo. Lindíssimo. Lindíssimo. Sobre as ironias da vida.

I’ll drown my beliefs
To have your babies 


True love waits, now in A Moon Shaped Pool, Radiohead

Homenagens 72

Muse, em rescaldo do concerto desta semana

Eu costumo dizer que vivo para momentos como os que degustei na 2ª feira passada, no concerto dos Muse, em Lisboa. Julgo que quase ninguém me leva a sério. Mas é uma afirmação tão verdadeira quanto uma afirmação pode ser. 
Há uma intensidade e verdade na arte, e na música em particular, impossível de encontrar em qualquer outra coisa. E é isso que os Muse me dão nos álbuns e é isso que os Muse me dão em concerto. 
Já escrevi várias vezes sobre Muse, e umas quantas vezes sobre os seus concertos: aqui e aqui, mas quero escrever novamente. Há coisas que são especiais porque existindo para muitos, existem mais para nós próprios porque nos permitem ultrapassar as fronteiras individuais de possibilidades. E nos concertos dos Muse, às vezes, ultrapasso essas fronteiras ultrajantes. Porque eles me permitem cantar com eles aquilo que está tão preso cá dentro, e durante esses momentos, há algo humanamente transcendente que acontece. Há liberdade.
Por isso, sim, cantei a plenos pulmões, enquanto saltava pulos que pareciam saídos de um mega trampolim, a pensar como impedir que o mundo continue indiferente ao horror da inconsciência:

Love, it will get you nowhere
You're on your own
Lost in the wild
So come to me now
I could use someone like you
Someone who'll kill on my command
And asks no questions
E ironicamente gritei
I’m gonna make you 
a fucking psycho

Drones and Psycho, Muse Drones Tour, Lisboa, maio de 2016

mas acabámos, todos, em uníssono, a dizer

No one's gonna take me alive
The time has come to make things right
You and I must fight for our rights
You and I must fight to survive

Knights of Cydonia, Muse Drones Tour, Lisboa, maio de 2016

And damn, if I won’t fight…

Recomendações 82

Brainpickings

Brainpickings, a wonderful website, written by Maria Popova, which touches upon a variety of interesting topics, ranging from philosophy to neuroscience.

Homenagens 71

Muse, em preparação do concerto de amanhã


Explorers, from “The 2nd law”

Poemas 51

Existencialismo

Moldei-te a partir da voz
e das ideias e do atrevimento
de desafiarmos as horas
proibidas na noite que desconhecia
a realidade do dia.

Criei-te e agora existes
como um ser autónomo
que impede a materialização
do potencial indecoroso
que eu pude conceber.

Inventei-te um ser impossível
para me salvares do fim,
mas criei-te com obstinação
e impedes que concretize
o que delineei para nós.

[Abril de 2016]

Apontamentos fugazes 227

Atopias 

Todos me dizem para ser menos exigente. Como se a minha salvação dependesse disso. Mas a minha exigência é uma necessidade primária. A minha exigência não é uma exigência sequer. É uma característica atópica. Tudo o que aceite abaixo do nível de exigência causa-me alergias e precisa de ser rapidamente terminado. A minha salvação é encontrar o improvável acima do nível de exigência e acreditar que não tenha predisposições atópicas à minha constituição.

Recomendações 81

“Are you serious”, o novo álbum de Andrew Bird


Left handed kisses, ft. Fiona Apple; o meu vício reconhecido da semana passada.

Trivialidades 251

Ironias
 
Os meus horários estão tão deturpados que hoje, às 7.32 da manhã, após ter chegado ao trabalho, o meu telemóvel mostrava "11 minutos até a casa. O trânsito está normal."

Trivialidades 250

Coisas que me irritam mais do que proporcionalmente

Vulgaridade

Apontamentos fugazes 226

Equívocos

Qual seria a vossa reação se passassem pela minha secretária no trabalho e lessem “Cigarettes after sex”, a banda que eu ouvia antes de me ausentar?

Recomendações 80

I love you, honey bear



I love you, honeybear, 2015, by Father John Misty

Trivialidades 249

Coisas que me irritam mais do que proporcionalmente

Condutores que não respeitam regras de trânsito, em exemplificação do que é tecnicamente chamado “chico espertismo”. 
Bem sei. Bem sei. Quando há tanta tragédia no mundo, isto parece pouco. Parece, talvez, mesquinho. Mas é simbólico da falta de consideração que umas pessoas têm pelas outras. E é injusto. E eu não tolero este tipo de comportamento.
E para aquele condutor que me atirou beijos depois de claramente passar um sinal vermelho e de, naturalmente, não ter prioridade quando atravessou o seu carro à frente do meu: eu não quero esses beijos, eu quero que cumpra o raio das regras de trânsito! 

Pensamentos líquidos 120

A crueldade dos seres II - a cobardia de alguns

Os recentes ataques reivindicados pelo DAESH, pelo Boko Haram e por outros grupos bélicos jihadistas, em várias partes do globo, voltaram a mostrar o mais puro desrespeito pela vida humana. 
No dia 20 de setembro, um conjunto de ataques no nordeste da Nigéria, em Maiduguri e em Monguno, causou a morte de 145 pessoas e feriu cerca de 120. Os atacantes fizeram explodir várias bombas, numa mesquita, num mercado, num centro desportivo e num check point. As pessoas, que viviam a sua vida pacificamente, foram brutalmente assassinadas e feridas.
No dia 12 de novembro, num ataque devastador em Beirute, 43 pessoas morreram e cerca de duas centenas ficaram feridas. Estas pessoas estavam perto de uma mesquita e de uma padaria. E foram brutalmente assassinadas e feridas. 
No dia 13 de novembro, noutro ataque devastador, em Paris, assassinaram 130 pessoas e feriram mais de 350. Todos os locais de ataque foram locais de lazer. E eu posso estar completamente enganada, mas eu considero que isso foi propositado, considero que foi um atentado a uma forma de vida. Também posso estar enganada, mas também me parece que o ataque perto do Stade de France tinha como objetivo fazer muitas vítimas. Novamente, as pessoas foram brutalmente assassinadas e feridas.
No dia 21 de novembro, um grupo armado fez refém dezenas de pessoas num hotel em Bamako, no Mali, acabando por matar 20 pessoas. Parece haver muitas questões ainda por responder, mas também aqui estas pessoas foram brutalmente assassinadas.
No dia 25 de novembro, houve um ataque à guarda presidencial tunisina, em Túnis, na Tunísia. Morreram 12 pessoas, num ataque também reivindicado pelo DAESH. E a conclusão não difere: estas pessoas foram brutalmente assassinadas.
Eu gostava de dissertar sobre várias facetas deste movimentos mas, por hoje, quero centrar-me apenas na crueldade, na violência. Em qualquer destes casos, morreram pessoas. Pessoas cujas vidas poderiam ser mais longas foram privadas de tempo que era delas. Pessoas que foram assassinadas. Eu poderia escrever inocentes que foram assassinados. E estaria certa. Como é que alguém, que tenha um resquício de respeito pelo valor da vida humana, pode achar que pode privar outrem do seu tempo de vida?

É a crueldade derradeira. E é indesculpável.